O Mercado de FOREX (acrônimo de Foreign Exchange Market) diz respeito ao Mercado Global de Divisas, referente as cotações de troca entre moedas distintas que são divulgadas de forma contínua. Esse Mercado na sua forma atual tem origem em 1973 com o fim do padrão ouro (acordo de Bretton Woods 1944) o qual lastreava o dólar Norte Americano ao ouro e fixava as taxas de câmbio de uma cesta de moedas a este. Este mercado ficou restrito ao público institucional até o ano de 2000, quando o surgimento das primeiras plataformas eletrônicas, viabilizou a execução de negociações por meio de Brokers, que são empresas mediadoras que oferecem negociações em moedas para o mercado de Forex por meio de plataformas associadas como o Metatrader , Ctrader, etc.

 

O mercado de Forex diferencia-se dos demais mercados financeiros por ser o  único que opera 24h devido a continuidade das negociações por meio das diferentes praças financeiras do mundo. Basicamente são três grandes sessões que compreendem a totalidade do período (24 horas); seção Asiática, que inicia com a Oceania abrindo o mercado, que é seguida pela abertura dos mercados Europeus, que é seguido pelo início da seção Norte Americana que fechará quando o dia no Oriente inicia novamente. Dessa forma o mercado abre às 20h00 de domingo (abertura das praças Asiáticas) até as 18h00 de sexta-feira (fechamento da praça Norte-Americana).

 

O mercado de FOREX conta com volume de negociação diário de 5.4 trilhões de Dólares, dos quais 43% são operações entre Bancos, 40% são operações entre Bancos, entre fundos de investimentos privados considerados alternativos [Hedge Funds], os quais adotam estratégias direcionais tentando assim, influenciar o mercado (Galati e Melvin, 2004), e entre Instituições Financeiras, 17% são operações entre Bancos e Governos, Empresas não Financeiras e indivíduos (pessoa física) (BIS,2016).

 

Apesar de sua característica mundial, o mercado de FOREX ainda tem uma parte importante da sua atividade no mercado concentrada na praça Londrina que conta com aproximadamente 40% do volume financeiro transacionado, seguido por Nova York com aproximadamente 20%. Londres é o maior centro de negociação em volume de moedas. Aproximadamente, 84% de toda negociação mundial envolvendo moedas ocorrem em Londres, Nova Iorque e Tóquio (Shamah, 2003).

 

De acordo com Lyons (1996), grande parte das operações em Forex são de instituições financeiras com o objetivo de equilibrar seus balanços e consequentemente amenizar a exposição da moeda. Esse processo é chamado de “hot potato”.

 

As operações Forex envolvem a compra de uma moeda e a simultânea venda de outra, ou seja, as moedas são negociadas em PARES, por exemplo: o Euro e o Dólar (EUR/USD). O investidor não compra dólares ou euros, fisicamente, mas uma relação monetária de troca entre eles. Assim, quando alguém faz uma operação nesse mercado, não está comprando uma determinada divisa, mas um determinado PAR, uma taxa de câmbio entre as duas moedas. Como exemplo o EUR/USD, onde a divisa da esquerda é dita como divisa de base e a divisa da direita é tida como a divisa de contrapartida. Com isso, a leitura indica o valor da moeda de base em função da moeda de contrapartida.

 

Por ser um mercado que trabalha com somas elevadas de dinheiro suas cotações normalmente vão até 5 casas decimais, como por exemplo uma operação: EUR/USD à 1.11257. Apesar das 5 casas decimais, o valor da quarta decimal que é notório por definir o que é chamado de Percentual do Ponto [PIP], ou seja, se o EUR/USD vai de 1.11257 a 1.11267, sabe-se que a cotação ganhou 1 PIP.

 

Pelo mercado de FOREX ser descentralizado é importante que se trabalhe junto à um broker que seja regulado por um órgão financeiro regulador idôneo e conhecido de algum país com tradição no mercado financeiro. Para o Forex isso se resume aos Estados Unidos da América que possuem o órgão National Futures Association [NFA] (NFA, 2016) e o Reino Unido possui o Financial Conduct Authority [FCA] (FCA, 2016).